segunda-feira, 26 de abril de 2010

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS



Conforme o PNE, a determinação legal (Lei nº 10.172/2001, meta 2 do Ensino Fundamental) de implantar progressivamente o Ensino Fundamental de nove anos, pela inclusão das crianças de seis anos de idade, tem duas intenções: “oferecer maiores oportunidades de aprendizagem no período da escolarização obrigatória e assegurar que, ingressando mais cedo no sistema de ensino, as crianças prossigam nos estudos, alcançando maior nível de escolaridade”.

O PNE estabelece, ainda, que a implantação progressiva do Ensino Fundamental de nove anos, com a inclusão das crianças de seis anos, deve se dar em consonância com a universalização do atendimento na faixa etária de 7 a 14 anos.Ressalta também que esta ação requer planejamento e diretrizes norteadoras para o atendimento integral da criança em seu aspecto físico, psicológico, intelectual e social, além de metas para a expansão do atendimento, com garantia de qualidade. Essa qualidade implica assegurar um processo educativo respeitoso e construído com base nas múltiplas dimensões e na especificidade do tempo da infância, do qual também fazem parte as crianças de sete e oito anos.

O art. 23 da LDB incentiva a criatividade e insiste na flexibilidade da organização da educação básica, portanto, do Ensino Fundamental: “A educação básica poderá organizar-se em séries anuais, períodos semestrais, ciclos, alternância regular de períodos de estudos, grupos não seriados, com base na idade, na competência e em outros critérios, ou por forma diversa de organização, sempre que o interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar.”

A referida lei, no art. 32, determina como objetivo do Ensino Fundamental a formação
do cidadão, mediante:

I – o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno
domínio da leitura, da escrita e do cálculo;

II – a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia,
das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade;

III – o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição
de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores;

IV – o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de
tolerância recíproca em que se assenta a vida social.

As Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil fornecem elementos importantes para a revisão da Proposta Pedagógica do Ensino Fundamental que incorporará as crianças de seis anos, até então pertencentes ao segmento da Educação Infantil. Entre eles, destacam-se:
• As propostas pedagógicas (....) devem promover em suas práticas de educação e cuidados a integração entre os aspectos físicos, emocionais, afetivos, cognitivolingüísticos e sociais da criança, entendendo que ela é um ser total, completo e indivisível. Dessa forma, sentir, brincar, expressar-se, relacionar-se, mover-se, organizarse,cuidar-se, agir e responsabilizar-se são partes do todo de cada indivíduo (....).

• Ao reconhecer as crianças como seres íntegros que aprendem a ser e a conviver consigo mesmas, com os demais e com o meio ambiente de maneira articulada e gradual, as propostas pedagógicas (....) devem buscar a interação entre as diversas áreas de conhecimento e aspectos da vida cidadã como conteúdos básicos para a constituição de conhecimentos e valores. Dessa maneira, os conhecimentos sobre espaço, tempo, comunicação, expressão, a natureza e as pessoas devem estar articulados com os cuidados e a educação para a saúde, a sexualidade, a vida familiar e social, o meio ambiente, a cultura, as linguagens, o trabalho, o lazer, a ciência e a tecnologia.

• Tudo isso deve acontecer num contexto em que cuidados e educação se realizem de modo prazeroso, lúdico. Nesta perspectiva, as brincadeiras espontâneas, o uso de materiais, os jogos, as danças e os cantos, as comidas e as roupas, as múltiplas formas de comunicação, de expressão, de criação e de movimento, o exercício de tarefas rotineiras do cotidiano e as experiências dirigidas que exigem que o conhecimento dos limites e alcances das ações das crianças e dos adultos estejam contemplados.

• (....) as estratégias pedagógicas devem evitar a monotonia, o exagero de atividades
“acadêmicas” ou de disciplinamento estéril.

• As múltiplas formas de diálogo e interação são o eixo de todo o trabalho pedagógico, que deve primar pelo envolvimento e pelo interesse genuíno dos educadores em todas as situações, provocando, brincando, rindo, apoiando, acolhendo, estabelecendo limites com energia e sensibilidade, consolando, observando, estimulando e desafiando a curiosidade e a criatividade, por meio de exercícios de sensibilidade, reconhecendo e alegrando-se com as conquistas individuais e coletivas das crianças, sobretudo as que promovam a autonomia, a responsabilidade e a solidariedade.

• A participação dos educadores é mesmo participação e não condução absoluta de todas as atividades e centralização dessas em sua pessoa. Por isso, desde a organização do espaço, móveis, acesso a brinquedos e materiais, aos locais como banheiros, cantinas e pátios, até a divisão do tempo e do calendário anual de atividades, passando pelas relações e ações conjuntas com as famílias e os responsáveis, o papel dos educadores é legitimar os compromissos assumidos por meio das propostas pedagógicas.

Por que o Ensino Fundamental a partir dos seis anos?

Conforme recentes pesquisas, 81,7% das crianças de seis anos estão na escola, sendo que 38,9% freqüentam a Educação Infantil, 13,6% as classes de alfabetização e 29,6% já estão no Ensino Fundamental (IBGE, Censo Demográfico 2000).

Esse dado reforça o propósito de ampliação do Ensino Fundamental para nove anos, uma vez que permite aumentar o número de crianças incluídas no sistema educacional. Os setores populares deverão ser os mais beneficiados, uma vez que as crianças de seis anos da classe média e alta já se encontram majoritariamente incorporadas ao sistema de ensino – na pré-escola ou na primeira série do Ensino Fundamental.

A opção pela faixa etária dos 6 aos 14 e não dos 7 aos 15 anos para o Ensino Fundamental de nove anos segue a tendência das famílias e dos sistemas de ensino de inserir progressivamente as crianças de 6 anos na rede escolar.

A inclusão, mediante a antecipação do acesso, é uma medida contextualizada nas políticas educacionais focalizadas no Ensino Fundamental. Assim, observadas as balizas legais constituídas desde outras gestões, como se pode verificar no item 1,
elas podem ser implementadas positivamente na medida em que podem levar a uma escolarização mais construtiva. Isto porque a adoção de um ensino obrigatório de
nove anos iniciando aos seis anos de idade pode contribuir para uma mudança na
estrutura e na cultura escolar.

No entanto, não se trata de transferir para as crianças de seis anos os conteúdos e
atividades da tradicional primeira série, mas de conceber uma nova estrutura de organização dos conteúdos em um Ensino Fundamental de nove anos, considerando o perfil de seus alunos.

O objetivo de um maior número de anos de ensino obrigatório é assegurar a todas as crianças um tempo mais longo de convívio escolar, maiores oportunidades de aprender e, com isso, uma aprendizagem mais ampla. É evidente que a maior aprendizagem não depende do aumento do tempo de permanência na escola, mas sim do emprego mais eficaz do tempo. No entanto, a associação de ambos deve contribuir significativamente para que os educandos aprendam mais.

Seu ingresso no Ensino Fundamental obrigatório não pode constituir-se em medida meramente administrativa. O cuidado na seqüência do processo de desenvolvimento e aprendizagem das crianças de seis anos de idade implica o conhecimento e a atenção às suas características etárias, sociais e psicológicas. As orientações pedagógicas, por sua vez, estarão atentas a essas características para que as crianças sejam respeitadas como sujeitos do aprendizado.

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

Uma questão essencial é a organização da escola que inclui as crianças de seis anos no Ensino Fundamental. Para recebê-las, ela necessita reorganizar a sua estrutura, as formas de gestão, os ambientes, os espaços, os tempos, os materiais, os conteúdos, as metodologias, os objetivos, o planejamento e a avaliação, de sorte que as crianças se sintam inseridas e acolhidas num ambiente prazeroso e propício à aprendizagem. É necessário assegurar que a transição da Educação Infantil para o Ensino Fundamental ocorra da forma mais natural possível, não provocando nas crianças rupturas e impactos negativos no seu processo de escolarização.

A partir do exposto, torna-se importante ressaltar alguns aspectos referentes à responsabilidade dos sistemas de ensino, das escolas e dos professores ao proceder
à ampliação do Ensino Fundamental.

Recomenda-se que as escolas organizadas pela estrutura seriada não transformem esse novo ano em mais uma série, com as características e a natureza da primeira série. Assim, o Ministério da Educação orienta que, nos seus projetos políticopedagógicos,
sejam previstas estratégias possibilitadoras de maior flexibilização dos seus tempos, com menos cortes e descontinuidades. Estratégias que, de fato, contribuam para o desenvolvimento da criança, possibilitando-lhe, efetivamente, uma ampliação qualitativa do seu tempo na escola.

FONTE: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/noveanorienger.pdf

quinta-feira, 15 de abril de 2010

JUNTO É MELHOR!!!

NA TAREFA DO EDUCAR E CUIDAR É SEMPRE BOM PODER CONTAR COM PARCEIRAS COMO MINHA AMIGA FER! GANHAM AS PROFESSORAS E PRINCIPALMENTE AS CRIANÇAS, POR TEREM A OPORTUNIDADE DE CONVIVER COM MAIS CRIANÇAS E APRENDER VALORES COMO SOLIDARIEDADE, PARCERIAS E RESPEITO AO PRÓXIMO.

CONFIRAM ALGUNS MOMENTOS ESPECIAIS QUE TEMOS DESENVOLVIDO UNINDO AS DUAS TURMAS DE 1º ANO...

RODA DE LEITURA...














APRENDENDO LIBRAS













ORGANIZANDO A FILA



TRABALHANDO COM FOLHETOS DE MERCADO










terça-feira, 13 de abril de 2010

DIA DO ÍNDIO









História do Dia do Índio

Comemoramos anos TODOS OS, nao dia 19 de Abril, o Dia do Índio. ESTA Dados comemorativa Foi criada em 1943 Pelo presidente Getúlio Vargas, Através do decreto lei NÚMERO 5540. Mas PORQUE Foi escolhido o 19 de abril?

Origem

Para entendermos UM Conjunto de Dados, devemos voltar n. 1940. Neste ano, Foi realizado no México, o Primeiro Congresso Indigenista Interamericano. Além de Contar com Uma Participação de Diversas Autoridades Governamentais dos Países da América, Vários líderes indígenas Deste contimente Convidados Foram participarem das reunioes e Parágrafo Decisões. Porém, OS nsa Não índios compareceram Primeiros dias do Evento, Preocupados Estavam POIs e temerosos. Este era compreensível Comportamento, POIs os índios HÁ Séculos Estavam Sendo perseguidos, agredidos e dizimados Pelos brancos "Homens".

No entanto, reunioes ALGUMAS Após reflexões e, Diversos líderes indígenas resolveram Participar, entenderem Após Importância DAQUELE Momento histórico um. ESTA Ocorreu Participação no dia 19 de abril, Que DEPOIS Foi escolhido, nao Continente Americano, Como o Dia do Índio.

comemorações e Importância da Dados

Neste dia do ano Vários Eventos Ocorrem Dedicados à Valorização da cultura indígena. Nas escolas, alunos costumam OS Pesquisas Fazer Sobre a cultura indígena, OS Exposições Fazem MUSEUS E OS minicípios organizam festas comemorativas. Deve Ser Também Um Dia de Reflexão Sobre a Importância da Preservação dos Povos Indígenas, da Manutenção de Em suas terras e SUAS Respeito Às Manifestações culturais.

Devemos lembrar Também, OS Que habitavam índios Nosso País Já em QUANDO OS portugueses chegaram Aqui em 1500. Desde Dados ESTA, O Que Foi vimos o Desrespeito EA diminuição das Populações Indígenas. Este Processo Ocorre Ainda, com PIs a mineração EA Exploração dos Recursos Naturais, Pará Para muitos Povos Indígenas Estão os OS SUAS Perdendo Em terras.

FONTE: http://www.suapesquisa.com/datascomemorativas/dia_do_indio.htm





























FONTE - ATIVIDADES:

http://carinharte.blogspot.com

http://baudeideiasdaivanise.blogspot.com

http://espacoeducar-liza.blogspot.com