domingo, 9 de dezembro de 2012

HOMENAGEM DO AUTOR DE TANG A NOSSO ALUNOS!



Muito obrigada amigo Edivanio, por tudo!!!

FIM DE ANO

Olá pessoal, com a correria do dia a dia , acabei não tendo tempo para atualizações em meu adorado blog, mas prometo me dicar mais.

confiram nossas imagens da entrega das lembrancinhas de fim de ano. Este ano, resolvemos (A Professora Fernanda e Eu), dar algo de mais qualidade, e compramos o Livro "Tang, o sonho do pequeno Imperador - de Edivânio Leite. vale a pena conferir! muito boa a história, ajuda a percebermos a importância e o valor da amizade.

Sem contar as ilustrações de Danilo Marques (ilustrador e caricaturista), que ficaram show!





Agradeço a todos os pais pelo apoio, carinho, colaboração e compreensão durante todo esse ano letivo!!!
Muito obrigada por confiarem a mim a educação de vossos filhos!


terça-feira, 14 de agosto de 2012

BIENAL 2012

FUI COM MINHAS AMIGAS FERNANDA, RENATA E BRUNA NA BIENAL DO LIVRO, ANDEI MUITO, GASTEI ATÉ O DINHEIRO QUE NÃO TINHA E ACABEI NÃO COMPRANDO NADA PRA MIM... APENAS ESSA CARICATURA QUE GANHEI DO ILUSTRADOR E CARTUNISTA DANILO MARQUES...

terça-feira, 6 de março de 2012

COMO OS PAIS PODEM AJUDAR NA VIDA ESCOLAR DOS FILHOS

Retirado do blog: http://mundodatiacris.blogspot.com/


• Lendo atentamente todas as comunicações enviadas pela Escola e comentando-as com seus filhos;

• Participar de todos os eventos relacionados com seu filho, com a classe de seu filho e com a Escola como um todo;

• Ajudando seu filho(a) a organizar o seu dia, para que venha à Escola com um bom estado de espírito. Para tanto faça que ele tenha uma boa noite de descanso, com horas suficientes de sono, acorde com tempo suficiente para se vestir, tomar seu café da manhã ou almoço com calma e tenha horários regulares e bem distribuídos para fazer a tarefa de casa, brincar (incluindo tempo de T.V.) e outras atividades;

• Utilizando a agenda de seu filho para ajudá-lo na organização de suas responsabilidades escolares, bem como para receber ou mandar comunicados para a Escola;

• Providenciando para que seu filho tenha sempre o uniforme completo e adequado, tanto para o verão quanto para o inverno;

• Contribuindo para que ele tenha o hábito de arrumar sua mochila antes de vir para a Escola, para que ele não esqueça suas tarefas ou materiais necessários para as aulas;

• Mostrando um sincero interesse por aquilo que estiver aprendendo na Escola, comentando, discutindo, acrescentando informações, providenciando fontes de informação;

• Ajudando os professores e coordenadores de seu filho a conhecê-lo melhor. Para isso, sempre que sentir necessidade agende um encontro. Fale, ouça, avalie. É importante que a criança sinta a cumplicidade entre a família e a Escola, que juntos, queremos que ela se sinta feliz;

• Participando junto com seu filho de momentos prazerosos de leitura em casa;

• Contribuindo em algumas atividades da sala de aula de seu filho, partilhando sua experiência profissional, seu hobbie, seus talentos. Entre em contato com a professora para agendar o melhor dia;

• Apoiando sempre a criança em seu caminho pessoal dentro da aprendizagem.
Temos que colocar aos nossos filhos desafios, mas nunca maiores que suas possibilidades, respeitando seu ritmo, evitando comparações com outros filhos ou crianças, evitando realizar nelas expectativas que temos ou tivemos para nós;

• Ajudando na lição de casa. Quando o assunto é lição de casa, fala-se muito em lugar adequado, escrivaninha organizada, horário combinado. Mas o fato é que para algumas crianças e pais, este momento transforma-se em um grande conflito.

fonte: http://www.rota83.com/dicas-para-os-pais-ajudarem-na-vida-escolar-dos-filhos.html

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

PORTUGUÊS: O QUE TRABALHAR?



EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM E O QUE DEVE CONTEMPLAR A ROTINA DO 3º ANO

PORTUGUÊS

1. EM RELAÇÃO À COMUNICAÇÃO ORAL:
• Participar de situações de intercambio oral, ouvir com atenção, formular e responder perguntas e emitir comentários pertinentes ao tema tratado.

TRABALHAR: Rodas de conversas, Rodas de Leitura e Roda de Jornal; debates sobre temas relevantes do dia-a-dia e da atualidade.

2. EM RELAÇÃO À LEITURA:
• Apreciar textos literários;
• Ler, por si mesmo, textos conhecidos tais como parlendas, trava-línguas, adivinhas, poemas, cantigas, além de placas de identificação, listas, manchetes de jornais, revistas, legendas, quadrinhos e rótulos;
• Ler, com ajuda do professor, textos de divulgação cientifica, enciclopédicos e instrucionais (receitas, brincadeiras...), apoiando-se em seus conhecimentos sobre o tema, as características do portador textual e sistema de escrita.

TRABALHAR: escritas de memória, textos fatiados, localização de informações nos textos, interpretação de textos científicos e informativos, de jornais, revistas e até da internet.

3. EM RELAÇÃO À PRODUÇÃO DE TEXTOS:
• Reescrever, de próprio punho, trechos de histórias conhecidas, considerando as idéias principais do texto-fonte e algumas características da linguagem escrita.
• Produzir textos de próprio punho, (a princípio ditando para o professor e/ou colega), utilizando recursos da linguagem escrita.
• Revisar textos coletivamente e/ou em parceria com colegas.

TRABALHAR: reescritas de contos, fábulas, textos informativos e científicos.

LEMBRANDO QUE ESSAS SÃO INFORMAÇÕES OBTIDAS A PARTIR DA LEITURA DO GUIA DE PLANEJAMENTO E ORIENTAÇÕES DIDATICAS DO PROFESSOR (SECRETARIA ESTADUAL DDA EDUCAÇÃO)

MATEMÁTICA: O QUE DEVE TRABALHAR?



EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM E O QUE DEVE CONTEMPLAR A ROTINA DO 3º ANO

MATEMÁTICA

1. EM RELAÇÃO AOS NÚMEROS NATURAIS:
• Ler e escrever, comparar, ordenar números pela compreensão das características do sistema numérico.
• Contar em escola ascende e descendente, a partir de qualquer número dado.

TRABALHAR: quadros de números, ordem crescente e decrescente, seqüências numéricas, sucessor e antecessor, ditados iterativos.

2. EM RELAÇÃO AO TRATAMENTO DE INFORMAÇÃO:
• Ler e interpretar tabelas simples.
• Ler e compreender gráficos de colunas.

TRABALHAR: tabelas e gráficos simples.

3. EM RELAÇÃO A: GRANDEZAS E MEDIDAS:
• Reconhecer cédulas e moedas que circulam no Brasil e realizar possíveis trocas entre cédulas e moedas, em função de seus valores.
• Estabelecer relação entre unidades de tempo – dia, semana, mês, bimestre, semestre, ano – e fazer a leitura das horas.
• Produzir escritas que representem o resultado de uma medição, comunicando o resultado por meio de seus elementos constitutivos.

TRABALHAR: sistema monetário, calendário, sistema de medidas (quilo, metro) e horas.

4. EM RELAÇÃO A ESPAÇO E FORMA:
• Representar a localização de um objeto ou uma pessoa no espaço, pela analise de maquetes, esboços e croquis.
• Representar a movimentação de um objeto ou pessoa no espaço por meio de esboços e croquis que mostrem trajetos.
• Diferenciar figuras tridimensionais de figuras bidimensionais.
• Perceber semelhanças e diferenças entre cubos e quadrados, paralelepípedos e retângulos, pirâmides e triângulos, esferas e círculos.

TRABALHAR: lateralidade, trajetórias, figuras geométricas planas e sólidos geométricos, maquetes (?)

5. EM RELAÇÃO A OPERAÇÕES E CÁLCULOS:
• Interpretar e resolver Situações-problema envolvendo adição e subtração.
• Utilizar a decomposição das escritas numéricas para a realização de cálculo mental e exato das adições e subtrações.
• Calcular a soma e/ou subtração de números naturais utilizando técnicas convencionais ou não.
• Utilizar estimativas para avaliar a adequação do resultado de uma adição e/ou subtração.
• Interpretar e resolver situações-problema, compreendendo significados da multiplicação, a partir de estratégias pessoais.
• Calcular resultados de multiplicação, por meio de estratégias pessoais.
• Construir fatos básicos da multiplicação (por 2, por 3, por 4, por 5) a partir de situações-problemas, para constituição de repertório a ser utilizado no calculo.
• Interpretar e resolver situações-problemas, compreendendo significados da divisão e utilizando estratégias pessoais.

TRABALHAR: situações-problema do campo aditivo e multiplicativo, decomposição numérica, operações matemáticas do campo aditivo e multiplicativo, atividades de estimativa de resultados, trabalhar noções de tabuada (DOBRO, TRIPLO, ATÉ POR 5).

LEMBRANDO QUE ESSAS SÃO INFORMAÇÕES OBTIDAS A PARTIR DA LEITURA DO GUIA DE PLANEJAMENTO E ORIENTAÇÕES DIDATICAS DO PROFESSOR (SECRETARIA ESTADUAL DDA EDUCAÇÃO)

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

SONDAGENS - MATEMÁTICA


REESCRITA E PRODUÇÃO TEXTUAL



Olá pessoal! Estou de volta... Como esse ano estarei com uma turma de 3º ano/2ª série, estava zapeando pela net e encontrei algo muito interessante que gostaria de compartilhar. Vou editar algumas partes, mas a integra vocês podem encontrar no endereço a seguir:


http://pt.scribd.com/doc/6770759/Reescrita-de-Texto

REESCRITA DE TEXTO

As crianças que estão se alfabetizando agora apresentam uma maior dificuldade em produzir textos, você acha válido pedir que eles façam ou é melhor a reescrita de textos?

Acredito na máxima: “escrever se aprende escrevendo!” Os alunos recém-alfabéticos precisam ser postos para escrever para que se apropriem das características da linguagem escrita em situações de uso, ou seja, na prática da produção de textos.

A reescrita é uma atividade de produção de texto, segundo o referencial no qual me apóio que é o do PROFA “Letra e Vida” que, por sua vez, baseia-se no PCN. De acordo com o PCN a reescrita é classificada como uma produção com apoio.

Quando o aluno faz uma reescrita ele não precisa se preocupar com o que será escrito, pois isso o autor já fez; sua preocupação será como escrever o que já foi dito pelo autor. Portanto, é uma excelente atividade para se aprender como escrever: que palavras usar, como grafá-las, como segmentar o texto, como manter a seqüência dos fatos.

Já a produção de texto como estávamos acostumadas a fazer, é chamada de texto de autoria que é aquele em que o aluno tem que pensar tanto “o que” irá escrever quanto “como” irá escrever. São dois processos distintos e complexos e, por esse motivo, a orientação é começar sempre com a reescrita, para que o aluno se familiarize com as características de um determinado gênero textual e depois passar para a escrita de autoria.

De forma bastante básica, seria essa a seqüência a ser seguida a cada novo gênero textual apresentado à turma:
1 – leitura em voz alta de vários tipos de texto daquele gênero;
2 – reconto (oralmente);
3 – reescrita (individual, em duplas, coletiva);
4 – escrita de autoria.


SEQÜÊNCIA DIDÁTICA - PRODUÇÃO ORAL COM DESTINO ESCRITO.


Esta seqüência didática tem por objetivo que os alunos se familiarizem com a produção de contos de fadas. O contato freqüente com este gênero – que foi lido diariamente por você – e as conversas sobre essas leituras servirão de matéria-prima para que eles, mesmo sem escrever convencionalmente, possam ser autores de versões desses contos.

Isso será possível quando forem propostas atividades nas quais os alunos elaborem textos oralmente,ditando-os para que você faça o registro escrito na lousa ou em um cartaz. Ao ditar, os alunos precisarão sentir-se autores da história, mesmo não estando alfabetizados, e, portanto, é preciso que você tenha clareza do seu papel de escriba.

É importante destacar aqui que mesmo os alunos que já lêem e escrevem convencionalmente podem aprender muito com essa atividade, pois tal estratégia possibilita importantes discussões sobre a linguagem que se usa para escrever, e, em função disso, podem ampliar sua atuação como escritores autônomos.

Como escriba, você poderá utilizar, na frente dos alunos, estratégias de planejamento e revisão da produção coletiva. Isso quer dizer colocar em ação os conteúdos relacionados ao que consiste escrever para escritores mais experientes, realizando atividades de revisão de textos na presença e com a participação dos alunos que priorizem a análise e a reflexão sobre a língua e não apenas a correção do texto.

Essas ações com o texto permitem que os alunos:
• Compreendam para que se planeja um escrito;
• Pensem em diferentes opções para o início de um texto;
• Busquem distintas possibilidades de expressar cada idéia debatendo sobre a qualidade, beleza, precisão de cada uma das formas para escolher aquela que melhor concretiza o que se quer dizer;
• Atenham-se às diferenças entre o oral e o escrito, entre o coloquial e o formal, entre o que cabe apenas na fala e o que só faz parte do universo da escrita;.
• Leiam e releiam (ou ouçam e ouçam novamente) o que já foi escrito para assegurar a coerência com o que está por escrever ou para revisá-lo da perspectiva dos leitores. Tudo isso é imprescindível para que construam conhecimentos importantes sobre os comportamentos de escritor.

Os contos selecionados para esta seqüência deverão primar pela qualidade literária, pois, como sabemos, existem versões muito empobrecidas dos contos, tanto no que diz respeito à trama narrativa quanto ao cuidado com a linguagem. Por isso, quando encontrar um conto com muitas ilustrações e textos de apenas uma linha para cada página, descarte-o. Para esta situação, certamente este é um conto pouco adequado.

A produção ficará a cargo do grupo, mas isso não significa que você não vai poder interferir, muito pelo contrário. Seu papel será o de problematizar as elaborações feitas, confrontar as soluções dadas para um mesmo trecho e explicitar os comportamentos escritores: ler, reler e revisar, eliminar, trocar ou colocar novas palavras ou trechos, reler para ver como continua, para verificar se o texto está compreensível a um leitor ausente, se não tem repetições que o tornam cansativo. Como vê, você terá muito trabalho a fazer.

Mas lembre-se, você é o escriba. Não será preciso que os alunos copiem o texto produzido coletivamente. O objetivo maior desta seqüência é a realização de uma atividade de elaboração de texto com o foco na qualidade da linguagem que se escreve.

O QUE MAIS FAZER?

A continuidade desta atividade é, a partir da escolha do conto de fadas que será produzido oralmente, listar com eles os cenários e personagens que fazem parte do conto escolhido e pedir que, em pequenos grupos, façam, oralmente, descrições destes. Você deve anotar as descrições para retomá-las quando for produzir o texto.

Criar ilustrações para os personagens, neste contexto, faz todo o sentido. Colecione desenhos dos alunos, exponha e compare as diversas soluções encontradas por eles para bruxas, fadas etc. Embora esta seqüência didática esteja voltada para a linguagem que se escreve, é possível elaborar várias atividades de análise e reflexão sobre o sistema, voltadas, particularmente, para os alunos que ainda não escrevem convencionalmente.

Você pode propor que:
• Escrevam listas de seus personagens favoritos.
• Com os títulos de várias histórias conhecidas escritos em tiras de cartolina, descubram, em duplas ou trios, qual título está escrito em cada tira.
• Associem, em duas listas, o vilão e o protagonista de uma mesma história.
• A partir de uma descrição (lida por você), pedir que procurem, numa lista com vários personagens, aquele que você acabou de descrever.

Este procedimento de produzir textos oralmente pode ser amplamente utilizado, principalmente neste momento em que ainda têm muita dificuldade em grafar um texto, mas são perfeitamente capazes de compreender e produzir a linguagem escrita. Você pode propor a escrita de alguns trechos ou de outros tipos de textos, como os informativos, por exemplo.

ORIENTAÇÕES PARA A SONDAGEM: REESCRITA

1 – Escolha um texto de boa qualidade literária e que seja do gênero narrativo (conto, fábula, lenda);

2 – Faça a leitura em voz alta do texto para os alunos (se necessário, leia uma segunda vez para eles, mas somente se necessário);

3 – Faça com eles o reconto: oralmente, peça que contem novamente a história lida;

4 – Em seguida peça para que, individualmente, reescrevam a história sendo o mais fiel possível à história original do autor. Atenção: não é necessário que saibam a história de cor, mas sim que se utilizem das marcas do gênero narrativo, tempo verbal, vocabulário etc. e, principalmente, que mantenham o enredo da história. Portanto, não deixe que alterem o final ou mudem os personagens. É uma atividade de reescrita (escrever de novo o que alguém já escreveu) e não de escrita de autoria, onde teriam que ser criativos e “inventar” coisas.

5 – Com essa avaliação poderemos analisar como as crianças lidam com os recursos lingüísticos: gênero textual, coerência, coesão, segmentação de palavras, ortografia, paragrafação etc.


Eu gostei muito do artigo e me esclareceu várias dúvidas! Espero que seja util para vocês também. Bjsssss e até breve!!!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

VOLTA ÀS AULAS - 2012








(https://picasaweb.google.com/102791844094380700717)

RETOMADA...


OLÁ PESSOAL... FIQUEI MUITO TEMPO LONGE!!!

2011 FOI UM ANO DE MUITA ATRIBULAÇÃO, FRATUREI O TORNOZELO EM AGOSTO, MAS AGORA ESTOU DE VOLTA!!!

HOJE FOI MINHA ATRIBUIÇÃO E CHEIA DE NOVIDADES. TOMARA QUE SEJAM PARA MELHOR TODAS ESSAS MUDANÇAS.

RESUMINDO A SAGA, APÓS 3 ANOS DE ALFABETIZAÇÃO, AGORA UM NOVO DESAFIO: ESTAREI EM 2012 COM UM 3º ANO (2ª SÉRIE). E MINHA FIEL COMPANHEIRA PARA TODAS AS LOUCURAS VAI FICAR COM UM 4º ANO. VAMOS PENSAR NOS PONTOS POSITIVOS, APRENDER COM OUTRAS SÉRIES E EVOLUIR SEMPRE!!!

QUE DEUS NOS AJUDE E NOS POSSIBILITE UM ÓTIMO ANO DE AULA.

AH, DETALHE: DIA 15 INICIOU A REFORMA GERAL DE NOSSA UNIDADE ESCOLAR!!!! VAI SER UM ANO E TANTO.

BOM, A GENTE SE VÊ POR AQUI... ESPERO QUE COM MAIS FREQUENCIA!!!

ATÉ MAIS PESSOINHAS QUERIDAS!!!!!BJSSS E BOA NOITE A TODOS!!!








Imagens para orkut: CLIQUE AQUI